quinta-feira, março 31, 2011

Sobre o tempo...

Ela desperta no meio da noite. Ainda está escuro lá fora. A noite fria e silenciosa mostra que dificilmente ela dormirá novamente. Levanta, anda pela casa, observa a chuva da janela da cozinha.
Já que o sono foi embora completamente decide tomar um capuccino. Pensa na vida e nos últimos acontecimentos e em como tudo é estranho.
Ela sofre e chora sozinha. A madrugada por companheira.
Raramente tem insônia, dorme até bem demais para os padrões e mesmo com todos os acontecimentos consegue sonhar. Uns sonhos estranhos e picotados, é verdade. Mas sonha ainda.
Hoje não, hoje ela perdeu completamente o sono, e tem um turbilhão de pensamentos incômodos na cabeça.
O silêncio da noite é estranho, nada de vento, nenhum barulho de cão ou algum outro animal noturno. Nada simplesmente.
Ela pensa sobre o tempo, sobre o tempo das coisas, sobre como o tempo voa.
Ainda ontem era uma menina cheia de planos e expectativas. Agora é uma mulher cheia de desejos e medos. Deve ser assim pra todo mundo, ela pensa. Mas duvida também que seja isso.
O silêncio aumenta, quase sufoca. Tem vontade de colocar uma música, mas isso acordará os outros habitantes da casa que dormem tranquilos como se não houvesse nada acontecendo.
Então ela canta baixinho, quase um sussurro. Pra aliviar o vazio que sente.
O dia finalmente começa a dar o ar da graça. Quantas horas se passaram? Ela não sabe. Volta pra cama e dorme.
Foi um sonho? Nunca saberá.

"Tempo amigo, seja legal. Conto contigo pela madrugada, só me interrompe no final..."

quarta-feira, março 30, 2011

Depois de um dia cinza vem o sol...

Um dia cinza às vezes serve para você acordar pra vida.
Ontem foi o meu dia cinza, dia de colocar a vida na balança, repensar coisas, refazer planos.
Dia estranho, arrastado, longo e feio.
Um dia cinza no pior sentido da palavra.

Mas dias cinzas nos ajudam a enxergar a vida, a ver o que temos de bom. Nos mostram quem se preocupa conosco e com o que estamos vivendo e quem não está nem aí pra isso.
E ontem me serviu pra ver que tenho sim pessoas queridas à minha volta.

Tomei uma bela taça de vinho para espantar a tristeza, falei e ouvi palavras doces de uma amiga especial, ri com as besteiras que postam na internet e fui dormir com a certeza que o dias cinzas não duram para sempre.

Acordei melhor, mais confiante e com mais certezas.
Sei que não é fácil, que a vida te prova a cada segundo e que você tem que se manter firme no propósito pra não se deixar abater. Mas também sei que eu posso e que mesmo diante de tanta dificuldade eu sou capaz de fazer minha história diferente. Aliás, eu sou a única pessoa capaz de mudar minha história por que ela é minha e de mais ninguém.

Acordei hoje olhando a vida com outros olhos, mais fortalecidos. E certa de que vou mudar o rumo dessa prosa.

Uma amiga me apresentou hoje essa música e acho que tem tudo a ver com o meu dia e com essas mudanças de paradigmas...


"Se a vida às vezes dá uns dias de segundos cinzas
e o tempo tic taca devagar
Põe o teu melhor vestido, brilha teu sorriso
Vem pra cá, vem pra cá
Se a vida muitas vezes só chuvisca, só garoa
e tudo não parece funcionar
Deixe esse problema à toa, pra ficar na boa
Vem pra cá"




Vou ali colocar o meu melhor vestido e deixar brilhar um sorriso no rosto!
Tá afim?

É isso.

terça-feira, março 29, 2011

Mais um dia, tudo igual.

Mais um dia e eu levanto sem muita vontade de nada.
Sem perspectivas, sem ideias, sem desejos a realizar, sem sonhos e sem vontade de sonhar.
Há algum tempo que não me sentia assim, como quem está num limbo da vida. Entre o lado de cá e o de lá.
Espero ansiosa que algo realmente aconteça. Busco dentro de mim aquela vontade para trabalhar e seguir. Faço força pra sair da cama, quando a vontade era continuar deitada por um dia inteiro, um mês ou quem sabe um ano.

Algumas pessoas dizem que isso é como uma depressão se instalando, mas eu não sou nem serei depressiva. Não é isso. É um cansaço fora do comum. É só a sensação de ter perdido algo no meio do caminho e não conseguir voltar pra encontrar, sabe como?

Eu sei que é fase e que passa. Como todas as que já passaram. Mas é tão ruim essa sensação. Sensação de vazio.

Olho a minha volta e não reconheço as pessoas em quem confiei. Descubro lados e nuances que eu não enxergava ou não queria enxergar por comodidade. Conto nos dedos em quem realmente posso confiar, e não enche uma mão.

"C´est La Vie" diriam alguns. Eu sei, responderei. Mas queria que fosse diferente, mais fácil.
 
"It was fun for a while
There was no way of knowing
Like a dream in the night
Who can say where we´re going
No care in the world
And maybe I´m learning
Why the sea on the tide
It has no way of turning"


domingo, março 27, 2011

E dizem que a solidão até que me cai bem...


Você sai, retorna, anda em círculos e continua na mesma.
Faz coisas que nunca imaginou fazer, e gosta.
Tem coragem pra mudar, mas tem muito medo também.
Tudo a sua volta gira e você fica tonto com a velocidade das coisas.
Não me reconheço, nem quero. Aquela que eu fui um dia não me cabe mais. Melhor assim.
E então eu penso: é assim mesmo? Ou eu é que sou assim?
Tento entender tudo isso e não consigo. Acho que é desse jeito que as coisas tem que ser ou simplesmente são.
Um dia você acorda e não se reconhece no espelho, deixou de ser você pra ser outra pessoa.
Fazer o que? Sinceramente não sei. Mas estou tentando descobrir a cada dia. Se conseguirei só o futuro dirá.
Talvez as coisas sejam um pouco diferentes do que parecem ser, talvez tudo o que eu acredite esteja errado.
Mas enquanto não descubro a resposta vou vivendo um dia de cada vez, um segundo por hora, uma hora a cada segundo. Esperando que a vida me mostre o caminho e o rumo que eu devo seguir.


Estou à procura de mim e que eu possa me reencontrar um dia.

E como dizia o mestre Renato Russo que hoje faria 51 anos:
"Me sinto tão só
E dizem que a solidão até que me cai bem
Às vezes faço planos
Às vezes quero ir
Pra algum país distante
Voltar a ser feliz"

Apreciem sem moderação...

quinta-feira, março 10, 2011

De quando a vida escapa por entre os dedos...

E então a vida segue. Uns dias assim outros nem tanto.
Quem pode controlar o que temos que passar nessa vida, não é mesmo?
Muita coisa se passa durante dias e horas a fio.
Eu sigo a vida. Tentando.
Tento ser mãe, tento ser amiga, tento ser mulher.
Tento seguir a vida.
E às vezes ela me escapa por entre os dedos. O que se há de fazer?
Quando você percebe já era. Passou e você nem viu.
Mas também não lamento, muita coisa não vivi, muita coisa eu chorei e senti.
E dizem por aí que a vida é assim.
Uns dias assim, outros nem tanto.
Quem há de saber, não é mesmo?

Vou tentar correr atrás do que perdi.
Vamos ver se terei pernas pra correr e tempo pra sentir.

quinta-feira, março 03, 2011

Nunca

"Nunca diga não pra mim eu não vou poder trabalhar, conversar, descansar sem o teu sim.
Seja sempre assim.
Por favor me dê um sinal, um cartão postal, um aval dizendo assim.

Não, não é o fim. Dure o tempo que vc gostar de mim.
Entre o não e o sim, só me deixe quando o lado bom for menor do que o ruim."

Magnífica canção e interpretação.
Aprecie sem moderação!

Related Posts with Thumbnails